BRIGAS

Toda vez que a gente briga Eu me sinto feia Me sinto inútil. Toda vez que a gente briga Minha alegria vira lágrimas E pinta o dia de cinza. Toda vez que a gente briga Uma mão grande arranca De dentro da minha barriga Um pedaço do meu amor. Eu me sinto menor E mais frágil Me sinto só. Toda vez é a mesma vez É a mesma briga É a mesma dor. É só dor. Dói muito por dentro. Toda vez que a gente briga Fico calada e sombria Fico desinteressada. Toda vez que a gente Se desliga Sobra um lado da linha No vão. Toda vez É só chão Um imenso caminho vazio. Tudo fica miúdo E cabe numa caixa de fósforos. Tudo fica mudo. Fica só eu. Sem você. Fico ímpar.

Um comentário:

Borboletando-O Voo da Borboleta disse...

Oi obrigada pela visita!!!Gostei muito do seu blog !!!